Logo ClickeAprenda
BIO

Cada um com sua flauta!


Publicada em: 00/00/0000

Semana passada falamos um pouco sobre algo muito presente em nossos dias, que quando nem mesmo percebemos está aí, pairando pelo ar... Algo que se faz presente para todos nós, juntos ou separados: o pum. Vimos como ele pode estar presente em nossas vidas como algo constrangedor.

Mas seria esse o único aspecto do pum, o de ser motivo de chacota e indesejado por todos devido ao seu cheiro desagradável? Será que nós humanos, tão criativos que somos, não conseguimos em nenhum momento de nossa história tornar esse “infortúnio” algo frutífero?

Diz-se de Adolf Hitler, que tinha sérios problemas com gases, sendo suas cólicas tão doloridas que o ditador costumava dar berros histéricos quando estava no banheiro. Durante oito anos seguidos, ele tomou doses diárias de um remédio à base de estricnina e atropina - substâncias hoje reconhecidamente venenosas que têm graves efeitos sobre o sistema nervoso.

Bem, acho que sim... Algumas pessoas se incumbiram de dar graça ao evento de liberação de gases intestinais. Um famoso foi o grande Le Petomane um dos maiores artistas cômicos da época dos cabarés franceses. Petomane era capaz de encher seus intestinos de ar ao contrair os músculos abdominais. E então bastava soltar o ar do jeito que desejasse. Como uma das maiores atrações do Moulin Rouge Petomane, com uma expressão séria, apresentava-se imitando puns alheios e sons de instrumentos musicais, apagando velas, fumando cigarros e até mesmo tocando flauta. Pois é, viva o esfíncter anal!.

O sucesso era estrondoso! A plateia ia ao delírio, e contam os jornais da época que as gargalhadas podiam ser ouvidas a 100 metros dali. Também não era para menos: o encerramento da apresentação dava-se com a execução de La Marseillaise, o hino da França. Saindo pelos fundilhos.

Mas como pode ser assim tão agradável assistir uma apresentação dessas? Tudo bem que os ares do século XIX na França já não eram tão puros, dado as possibilidades de higiene e costumes da época, mas ficar por uma hora numa casa de shows assistindo um homem soltar gases?

 

Na verdade, não eram exatamente puns que Petomane soltava. Afinal, todo o substrato de sua apresentação não era produzido em seu organismo, mas resultado de uma capacidade que ele tinha de encher seus intestinos de ar contraindo seus músculos abdominais. Consequentemente o ar expelido não cheirava mal. E a plateia podia até respirar entre uma gargalhada e outra.

O público se contorcia de tanto rir. Cada apresentação acumulava nas bilheterias cerca de 20 mil francos enquanto a grande atriz Sarah Bernhardt atraía algo como 8 mil francos...




Redes Sociais

Conteúdos Especiais


Powered by CLICKIDEA