Logo ClickeAprenda
CIE

Raios, relâmpagos e trovões: um fenômeno natural poderoso


Publicada em: 17/02/2014

Conheça um pouco mais sobre o fenômeno dos raios e trovões, causado por descargas elétricas provenientes das nuvens. 

 

Uma tempestade pode ser um evento perigoso e assustador. O ruído dos trovões pode ser ensurdecedor e a luz dos relâmpagos embora bela, é o indicador de uma poderosa força destrutiva da natureza. Você sabe o que são raios, relâmpagos e trovões?

 


 

Antes, outra pergunta, você já tomou um choque? Um choque é uma descarga elétrica. Quando duas superfícies ficam carregadas com cargas opostas, se desenvolve uma diferença de potencial (ddp) elétrico entre elas. Quando essa ddp atinge um valor alto o suficiente pode ocorrer uma descarga elétrica. Essas cargas de uma superfície se movem para a outra através do ar de modo a deixar as duas superfícies com a mesma carga.

 

O raio apresenta o mesmo mecanismo que um choque, mas em uma escala maior. Cargas elétricas se acumulam nas nuvens de modo que uma região dela fica com cargas positivas e a outra região com cargas negativas. Se esse acúmulo de cargas fica muito alto, a ddp entre as duas regiões da nuvem ou entre a nuvem e o solo também se eleva. Se essa ddp fica muito alta uma descarga elétrica ocorre. 


 

A descarga elétrica pode ocorrer dentro da nuvem entre as regiões com cargas positivas e negativas, ou entre a nuvem e o solo. Esse segundo tipo é o raio que geralmente vemos ocorrer.

 

Quando essa descarga elétrica ocorre, vemos uma linha luminosa (que chamamos de relâmpago) e ouvimos um som (o trovão). O som do trovão se deve à rápida expansão e aquecimento do ar na região pela qual as cargas elétricas passaram.


 

Você já notou como o som do trovão sempre é ouvido depois de vermos o relâmpago? Como isso é possível se os dois são resultado de um mesmo fenômeno? É simples, a velocidade de propagação da luz é muito maior que a do som. Então, embora a luz do relâmpago e o som do trovão sejam produzidos ao mesmo tempo, primeiro vemos o relâmpago e só depois ouvimos o trovão.

 

A corrente elétrica envolvida em um raio pode chegar a milhares de Ampères (para você ter uma noção de quão grande essa corrente é, note que um celular usa uma corrente da ordem de 1 Ampère quando está sendo carregado). Não é à toa que os raios possam ser tão destrutivos.

 

Um exemplo da capacidade de destruição dos raios foi vista no Rio de Janeiro, em janeiro de 2014. Raios atingiram o Cristo Redentor, resultando na danificação de um dedo da mão direita do monumento. Atualmente, a estátua está sendo reformada em um processo com custo de R$1,9 milhões.

 

 

Os raios podem ser belos mas são, também, imponentes. Assim, quando houver uma tempestade se formando, tome cuidado e não fique em nenhum local exposto.

 

Ouça o podcast "Trovões", produzido para o Minuto Científico Clickideia:

 

O raio é um belo fenômeno, mas pode ser muito perigoso!

Conheça um pouco mais sobre o fenômeno dos raios e trovões, causado por descargas elétricas provenientes das nuvens. 

 

Uma tempestade pode ser um evento perigoso e assustador. O ruído dos trovões pode ser ensurdecedor e a luz dos relâmpagos embora bela, é o indicador de uma poderosa força destrutiva da natureza. Você sabe o que são raios, relâmpagos e trovões?

 


 

Antes, outra pergunta, você já tomou um choque? Um choque é uma descarga elétrica. Quando duas superfícies ficam carregadas com cargas opostas, se desenvolve uma diferença de potencial (ddp) elétrico entre elas. Quando essa ddp atinge um valor alto o suficiente pode ocorrer uma descarga elétrica. Essas cargas de uma superfície se movem para a outra através do ar de modo a deixar as duas superfícies com a mesma carga.

 

O raio apresenta o mesmo mecanismo que um choque, mas em uma escala maior. Cargas elétricas se acumulam nas nuvens de modo que uma região dela fica com cargas positivas e a outra região com cargas negativas. Se esse acúmulo de cargas fica muito alto, a ddp entre as duas regiões da nuvem ou entre a nuvem e o solo também se eleva. Se essa ddp fica muito alta uma descarga elétrica ocorre. 


Raios ocorrem devido ao acúmulo de cargas elétricas nas núvens. Quando esse acúmulo é muito grande, pode haver transferência de partículas carregadas entre as nuvens e o solo

 

A descarga elétrica pode ocorrer dentro da nuvem entre as regiões com cargas positivas e negativas, ou entre a nuvem e o solo. Esse segundo tipo é o raio que geralmente vemos ocorrer.

 

Quando essa descarga elétrica ocorre, vemos uma linha luminosa (que chamamos de relâmpago) e ouvimos um som (o trovão). O som do trovão se deve à rápida expansão e aquecimento do ar na região pela qual as cargas elétricas passaram.


 

Você já notou como o som do trovão sempre é ouvido depois de vermos o relâmpago? Como isso é possível se os dois são resultado de um mesmo fenômeno? É simples, a velocidade de propagação da luz é muito maior que a do som. Então, embora a luz do relâmpago e o som do trovão sejam produzidos ao mesmo tempo, primeiro vemos o relâmpago e só depois ouvimos o trovão.

 

A corrente elétrica envolvida em um raio pode chegar a milhares de Ampères (para você ter uma noção de quão grande essa corrente é, note que um celular usa uma corrente da ordem de 1 Ampère quando está sendo carregado). Não é à toa que os raios possam ser tão destrutivos.

 

Um exemplo da capacidade de destruição dos raios foi vista no Rio de Janeiro, em janeiro de 2014. Raios atingiram o Cristo Redentor, resultando na danificação de um dedo da mão direita do monumento. Atualmente, a estátua está sendo reformada em um processo com custo de R$1,9 milhões.

 

 

Os raios podem ser belos mas são, também, imponentes. Assim, quando houver uma tempestade se formando, tome cuidado e não fique em nenhum local exposto.

 

Ouça o podcast "Trovões", produzido para o Minuto Científico Clickideia:

 




Redes Sociais

Conteúdos Especiais


Powered by CLICKIDEA