Logo ClickeAprenda
HIS

Os 761 anos de Marco Polo


Publicada em: 21/09/2015

 

Com narrativa até então inédita para a época, as aventuras de Marco Polo deixaram o Ocidente fascinado pelas terras distantes de um mundo novo e exótico

 

 

 

Como se davam as relações entre os homens europeus e o Oriente durante a Idade Média? Um dos maiores exploradores e mercadores do período foi Marco Polo, que completaria 761 anos no dia 15 de setembro. Nascido na República de Veneza, tornou-se um dos responsáveis por introduzir em terras ocidentais as principais tecnologias da China, como o uso da pólvora e a fabricação de sorvetes e massas (embora se acredite que o macarrão já fosse conhecido por gregos e romanos antigos). Dada a sua importância no fim da Idade Média e como um impulso para o Renascimento Científico, vamos conhecer um pouco mais sobre sua atividade.

 


 

Marco Polo nasceu no dia 15 de setembro de 1254. Juntamente com seu pai Niccolò Polo e seu tio Matteo, que haviam se tornado ricos comerciantes em Constantinopla e passaram por várias partes da Ásia, Marco Polo foi um dos primeiros ocidentais a percorrer a Rota da Seda, escolhendo a via marítima e partindo da Armênia em 1272. O explorador recebeu boa educação, sendo iniciado nos assuntos mercantis, na manutenção e avaliação de navios de carga, aprendendo pouco de latim e muito sobre as moedas estrangeiras. Aos 17 anos, Marco fez sua primeira viagem à Ásia, retornando para Veneza somente em 1295 com muitos tesouros e 15000 milhas na bagagem.

 


Ao retornar para sua terra natal, Marco Polo passou a comandar um exército na guerra entre Veneza e Gênova, em 1298, tornando-se prisioneiro. Em seu cativeiro, ditou suas aventuras de viagem a outro cativo, Rusticiano de Pisa. Em 1315, esse material foi traduzido para o latim pelo rei Francisco Pipino. E, no final do século XV, a obra já havia sido vertida para vários idiomas e recebeu sua primeira impressão. A primeira tradução portuguesa foi realizada em 1508, sob o título de “Livro de Marco Polo”.

Suas crônicas contavam sobre seus feitos e viagens e também sobre tudo aquilo que encontrou em seus anos no Oriente, povoando imensamente o imaginário de seus leitores e chamando a atenção pela enorme riqueza de detalhes e pelas emoções que desperta em suas narrativas. Existem dúvidas se Marco Polo fez tudo o que narra em seus escritos ou se simplesmente contou histórias suas e de outros viajantes que escutou pelos seus caminhos. No entanto, a descrição do mundo feita pelo cronista foi inédita em seu período, apresentando um novo mundo para o Ocidente e fascinando o homem pelas terras distantes, pelas novas paisagens e pela possibilidade do desconhecido.


Em 1323, Marco Polo adoeceu e não conseguiu mais sair da cama. No início do ano seguinte, dado o agravamento da doença, chamou o padre Giovanni Giustiniani para escrever e certificar seu testamento. A Igreja Católica tinha por direito uma parte de sua propriedade, mas Polo aprovou a doação de uma parcela extra, a ser entregue ao Convento de San Lorenzo, onde pediu que fosse enterrado. Liberou um escravo e dividiu seu patrimônio entre as guildas e fraternidades às quais pertencia e anulou as dívidas da família. Por fim, repartiu o restante de seus bens entre sua esposa e suas três filhas. Polo faleceu em 9 de janeiro de 1324.

 

 

Com narrativa até então inédita para a época, as aventuras de Marco Polo deixaram o Ocidente fascinado pelas terras distantes de um mundo novo e exótico

 

 

 

Como se davam as relações entre os homens europeus e o Oriente durante a Idade Média? Um dos maiores exploradores e mercadores do período foi Marco Polo, que completaria 761 anos no dia 15 de setembro. Nascido na República de Veneza, tornou-se um dos responsáveis por introduzir em terras ocidentais as principais tecnologias da China, como o uso da pólvora e a fabricação de sorvetes e massas (embora se acredite que o macarrão já fosse conhecido por gregos e romanos antigos). Dada a sua importância no fim da Idade Média e como um impulso para o Renascimento Científico, vamos conhecer um pouco mais sobre sua atividade.

 


A Rota da Seda foi um conjunto de caminhos que ligava a Europa à China durante a Idade Média

 

Marco Polo nasceu no dia 15 de setembro de 1254. Juntamente com seu pai Niccolò Polo e seu tio Matteo, que haviam se tornado ricos comerciantes em Constantinopla e passaram por várias partes da Ásia, Marco Polo foi um dos primeiros ocidentais a percorrer a Rota da Seda, escolhendo a via marítima e partindo da Armênia em 1272. O explorador recebeu boa educação, sendo iniciado nos assuntos mercantis, na manutenção e avaliação de navios de carga, aprendendo pouco de latim e muito sobre as moedas estrangeiras. Aos 17 anos, Marco fez sua primeira viagem à Ásia, retornando para Veneza somente em 1295 com muitos tesouros e 15000 milhas na bagagem.

 


Marco Polo foi enterrado no Convento de San Lorenzo, em Veneza, em 1324

Ao retornar para sua terra natal, Marco Polo passou a comandar um exército na guerra entre Veneza e Gênova, em 1298, tornando-se prisioneiro. Em seu cativeiro, ditou suas aventuras de viagem a outro cativo, Rusticiano de Pisa. Em 1315, esse material foi traduzido para o latim pelo rei Francisco Pipino. E, no final do século XV, a obra já havia sido vertida para vários idiomas e recebeu sua primeira impressão. A primeira tradução portuguesa foi realizada em 1508, sob o título de “Livro de Marco Polo”.

Suas crônicas contavam sobre seus feitos e viagens e também sobre tudo aquilo que encontrou em seus anos no Oriente, povoando imensamente o imaginário de seus leitores e chamando a atenção pela enorme riqueza de detalhes e pelas emoções que desperta em suas narrativas. Existem dúvidas se Marco Polo fez tudo o que narra em seus escritos ou se simplesmente contou histórias suas e de outros viajantes que escutou pelos seus caminhos. No entanto, a descrição do mundo feita pelo cronista foi inédita em seu período, apresentando um novo mundo para o Ocidente e fascinando o homem pelas terras distantes, pelas novas paisagens e pela possibilidade do desconhecido.


Em 1323, Marco Polo adoeceu e não conseguiu mais sair da cama. No início do ano seguinte, dado o agravamento da doença, chamou o padre Giovanni Giustiniani para escrever e certificar seu testamento. A Igreja Católica tinha por direito uma parte de sua propriedade, mas Polo aprovou a doação de uma parcela extra, a ser entregue ao Convento de San Lorenzo, onde pediu que fosse enterrado. Liberou um escravo e dividiu seu patrimônio entre as guildas e fraternidades às quais pertencia e anulou as dívidas da família. Por fim, repartiu o restante de seus bens entre sua esposa e suas três filhas. Polo faleceu em 9 de janeiro de 1324.

 




Redes Sociais

Conteúdos Especiais


Powered by CLICKIDEA