Logo ClickeAprenda
ART

O Brasil e sua Bandeira


Publicada em: 05/10/2015

Aprenda um pouco sobre a história da Bandeira Nacional

 


A Bandeira Nacional do Brasil, também conhecida como Bandeira Auriverde, é um dos símbolos oficiais de nossa República, a última das flâmulas vinculadas ao Brasil desde o início de sua colonização por portugueses. Sua importância não diz respeito apenas à identificação de limites políticos ou territoriais mas, sobretudo, deve-se ao fato de representar a identidade do povo brasileiro como nação própria, e não subordinada a nenhum outro país.


Inicialmente, não havia uma bandeira que representasse o território brasileiro, e isso também ocorria para todos os países dominados por Portugal. O que acontecia era o içamento da bandeira do Império português e, um pouco mais raramente, a presença de bandeiras marítimas de companhias mercantes portuguesas. Até a elevação do Brasil à condição de Reino Unido a Portugal, durante o reinado de Dom João VI, as bandeiras aqui presentes simbolizavam apenas o domínio absoluto de Portugal. Foi somente em 1815 que aconteceu uma relativa mudança, sendo o nosso país oficialmente agrupado a um único estado, o Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves.


A primeira flâmula especificamente brasileira surgiu apenas em 1822, após a Independência. Conhecida como Bandeira Imperial, essa primeira versão reunia antigos símbolos referente a Dom Pedro I enquanto ainda era príncipe, em uma composição desenvolvida pelo artista Jean-Baptiste Debret. Um elemento de destaque é o losango amarelo sobre o fundo verde, característica que temos presente na bandeira atual.


A primeira bandeira republicana do Brasil foi desenvolvida pelo advogado Ruy Barbosa, porém ela foi utilizada por apenas 4 dias, de 15 a 19 de novembro de 1889. Nesse último dia, um decreto de lei oficialmente substituiu a Bandeira Imperial. Porém a nova criação se inspirou justamente naquela a que veio substituir.


O projeto da Bandeira Nacional da República Federativa do Brasil foi desenvolvido pelo pintor Décio Villares, um artista formado pela Academia Brasileira de Belas Artes e de tendência neoclassicista. O losango amarelo e o fundo esverdeado da era imperial foram mantidos, mas o significado atribuído a eles foi modificado. Anteriormente, o verde representava a Família Real Portuguesa; o amarelo, a dinastia Habsburgo, à qual pertencia a esposa de Dom Pedro I. Com a República proclamada, o amarelo começou a ser visto como um símbolo das riquezas nacionais; o verde, como a exuberância de nossa flora. A mudança dos significados foi uma forma de retirar a forte memória do Império que estava associada à Bandeira e aos outros símbolos, de modo a fortalecer a autonomia e a identidade do Brasil como país independente.


De 1889 até os dias atuais, as mudanças sofridas na Bandeira são poucas, e todas referentes à adição de estrelas representando os estados brasileiros e o Distrito Federal. Embora as estrelas representem constelações realmente existentes, curiosamente elas estão desenhadas de forma espelhada, ou seja, são vistas não como seriam se as olhássemos no céu, mas como se as observássemos através de um espelho. A ideia artística e poética é a de que essas estrelas estivessem sendo vistas por um observador fora da própria esfera terrestre, proposta explicitada pela Lei 5.700/1971, a respeito da Bandeira Nacional.

Aprenda um pouco sobre a história da Bandeira Nacional

 


A Bandeira Nacional do Brasil, também conhecida como Bandeira Auriverde, é um dos símbolos oficiais de nossa República, a última das flâmulas vinculadas ao Brasil desde o início de sua colonização por portugueses. Sua importância não diz respeito apenas à identificação de limites políticos ou territoriais mas, sobretudo, deve-se ao fato de representar a identidade do povo brasileiro como nação própria, e não subordinada a nenhum outro país.


Inicialmente, não havia uma bandeira que representasse o território brasileiro, e isso também ocorria para todos os países dominados por Portugal. O que acontecia era o içamento da bandeira do Império português e, um pouco mais raramente, a presença de bandeiras marítimas de companhias mercantes portuguesas. Até a elevação do Brasil à condição de Reino Unido a Portugal, durante o reinado de Dom João VI, as bandeiras aqui presentes simbolizavam apenas o domínio absoluto de Portugal. Foi somente em 1815 que aconteceu uma relativa mudança, sendo o nosso país oficialmente agrupado a um único estado, o Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves.


A primeira flâmula especificamente brasileira surgiu apenas em 1822, após a Independência. Conhecida como Bandeira Imperial, essa primeira versão reunia antigos símbolos referente a Dom Pedro I enquanto ainda era príncipe, em uma composição desenvolvida pelo artista Jean-Baptiste Debret. Um elemento de destaque é o losango amarelo sobre o fundo verde, característica que temos presente na bandeira atual.


Pátria, de Pedro Bruno: a Bandeira é construída por jovens para simbolizar os novos tempos

A primeira bandeira republicana do Brasil foi desenvolvida pelo advogado Ruy Barbosa, porém ela foi utilizada por apenas 4 dias, de 15 a 19 de novembro de 1889. Nesse último dia, um decreto de lei oficialmente substituiu a Bandeira Imperial. Porém a nova criação se inspirou justamente naquela a que veio substituir.


Projeto da bandeira republicana do Brasil

O projeto da Bandeira Nacional da República Federativa do Brasil foi desenvolvido pelo pintor Décio Villares, um artista formado pela Academia Brasileira de Belas Artes e de tendência neoclassicista. O losango amarelo e o fundo esverdeado da era imperial foram mantidos, mas o significado atribuído a eles foi modificado. Anteriormente, o verde representava a Família Real Portuguesa; o amarelo, a dinastia Habsburgo, à qual pertencia a esposa de Dom Pedro I. Com a República proclamada, o amarelo começou a ser visto como um símbolo das riquezas nacionais; o verde, como a exuberância de nossa flora. A mudança dos significados foi uma forma de retirar a forte memória do Império que estava associada à Bandeira e aos outros símbolos, de modo a fortalecer a autonomia e a identidade do Brasil como país independente.


De 1889 até os dias atuais, as mudanças sofridas na Bandeira são poucas, e todas referentes à adição de estrelas representando os estados brasileiros e o Distrito Federal. Embora as estrelas representem constelações realmente existentes, curiosamente elas estão desenhadas de forma espelhada, ou seja, são vistas não como seriam se as olhássemos no céu, mas como se as observássemos através de um espelho. A ideia artística e poética é a de que essas estrelas estivessem sendo vistas por um observador fora da própria esfera terrestre, proposta explicitada pela Lei 5.700/1971, a respeito da Bandeira Nacional.




Redes Sociais

Conteúdos Especiais


Powered by CLICKIDEA